Como calcular o pedágio na hora de realizar viagens a trabalho?

Calcular pedágio
8 minutos para ler

Se você trabalha na gestão de frotas ou utiliza o veículo a trabalho constantemente, sabe que uma das grandes preocupações está em como calcular o pedágio e os reembolsos devidos ao viajar.

Isso garante que os gastos estejam dentro das previsões, viabilizando a saúde financeira do negócio. Mas como fazer os cálculos sem erro?

Há uma série de questões envolvendo esse tipo de custo e a conta do pedágio ao realizar viagens a trabalho. Parece bem-complicado tornar tais rotinas mais práticas, mas na verdade não é!

Quer saber como melhorar essa questão ao fazer viagens da empresa? Continue a leitura deste artigo para descobrir!

Como calcular o pedágio ao viajar a trabalho?

Cada rota tem um número diferente de pedágios, e cada pedágio cobra um valor distinto. Como se já não fosse complexo o suficiente, há ainda a diferença de valores para veículos de passeio e caminhões, por exemplo.

A equação parece difícil à primeira vista, sobretudo se você depende de estradas e rodovias para desenvolver seu trabalho.

Hoje em dia, é possível contar com recursos tecnológicos — Google Maps e Waze, por exemplo — que facilitam a definição dos trajetos.

Eles mostram quantos são os pedágios na rota escolhida, assim você pode calcular o custo total da viagem. Aliás, eles são ótimos também para economizar combustível, pois apresentam qual caminho é melhor para chegar a um destino.

Com isso em mente, analise as rotas possíveis e veja quais são as mais seguras e as mais rápidas — levando em consideração a distância, o estado de conservação da estrada, obras e até o número de radares. Calcule, então, a quantidade e os respectivos valores dos pedágios. Pode ser interessante também verificar se há aumentos previstos no itinerário.

Ao planejar com cuidado, você garante mais segurança, economia e rapidez na realização dos serviços. Com isso, só tem a ganhar, facilitando a vida dos seus colaboradores e a sua própria!

É possível otimizar o pagamento dos pedágios?

Calcular pedágio é simples, se consideramos apenas um ou dois veículos. No entanto, quando falamos de frotas a complexidade aumenta. Portanto, o ideal é buscar maneiras de otimizar os deslocamentos a trabalho.

Há quem aposte no estabelecimento de valores fixos por colaborador e quem escolha o reembolso. Embora passíveis de serem adotadas, essas são soluções que tendem a gerar desgaste para o gestor de frotas e equipe.

Uma terceira opção é o vale-pedágio. Prático, ele permite precisar o pedágio com mais eficiência e economizar nos gastos. Há soluções impressas — tíquetes de impressão local ou remota — e tags de passagem automática nas cancelas. Assim, fica bem mais fácil para a empresa administrar os custos envolvidos nas viagens — e para os motoristas também!

Como calcular a tarifa de pedágio para caminhão?

De acordo com a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), existem concessões do tipo em 21 trechos brasileiros — são mais de 100 paradas para pedágio.

Isso implica custos fixos referentes a cada quilômetro, multiplicados pela distância em questão. Tudo isso varia conforme a estrada e os tipos de veículo.

Calcular o pedágio compreende 3 modalidades. A primeira é a dos sistemas rodoviários — estradas paralelas, com pistas duplas. A segunda contempla a estrada de pista dupla, que exibe canteiros, barreiras visuais e físicas.

A última modalidade engloba as estradas simples, com só uma faixa. Isso significa que quase todos os caminhões pagarão tarifas multiplicadas por 2.

Caminhões com 3 eixos — a exemplo do tipo trator — ou os que trazem semirreboques têm o custo triplicado. Aqueles com reboques ou os do tipo trator com semirreboques com 4 eixos têm a tarifa quadruplicada. São os eixos do caminhão que determinam quanto deve ser pago no pedágio.

O que é o vale-pedágio e como ele funciona?

Em 23 de março de 2001, o governo federal instituiu por meio da Lei n° 10.209 um benefício obrigatório a ser pago para transportadores com serviço de entrega de carga e motoristas autônomos.

Com essa lei, as empresas que contratam os serviços de transportadoras ou motoristas diretamente precisam arcar com tal custo.

Desse modo, a legislação tenta evitar que esse gasto seja embutido no valor do frete. As empresas contratantes de serviços de transportadoras ou motoristas são isentas de imposto sobre o vale-pedágio.

Essa medida gera mais controle, pois é possível controlar o custo do pedágio com exatidão determinando o roteiro a ser seguido. Mais controle — mais segurança na entrega!

Quais são os benefícios da utilização do vale-pedágio?

Além do que já citamos, o uso do vale-pedágio oferece uma série de benefícios — tanto para o condutor quanto para a empresa contratante. Confira alguns!

Powered by Rock Convert

Benefícios para o condutor

Maior segurança

O primeiro benefício para os motoristas é a segurança nos trajetos, pois os profissionais não precisam circular munidos de dinheiro vivo.

O gerenciamento e os controles relativos ao custo de pedágios por caminhão e condutor também são extremamente facilitados.

Mais praticidade

Não precisar contar moedas ou cédulas é um ganho de tempo!

Mesmo aqueles poucos minutos, perdidos em dezenas de cabines de pedágios em uma viagem de centenas ou milhares de quilômetros, trazem mais tempo, praticidade e conforto à rotina cansativa da estrada.

Benefícios para a empresa

Segurança no controle financeiro

Assim como para o condutor, o primeiro benefício de calcular o pedágio e adotar um vale como meio de pagamento é a segurança.

O motorista não precisa trafegar com dinheiro, isso impede roubos, furtos e extravios de valores.

O arredondamento do troco também fica no passado — essa é uma perda significativa para empresas com grandes frotas e elevado número de deslocamentos.

Outra vantagem é a emissão sob demanda, sem desperdícios. Com isso, o controle e o gerenciamento dos valores são personalizados.

O gestor sabe quais são as despesas de cada veículo e motorista em cada trajeto, o que favorece a análise de custos em geral, bem como a identificação de anormalidades nos processos.

Isenção da tarifa de pedágio

Destacamos também o benefício do vale-pedágio sob o aspecto fiscal.

Os vale-pedágios não são vistos pela lei como receitas operacionais. Tendo isso em mente, eles podem ser eliminados de diversas bases de cálculo.

Isso engloba o CSLL, o IRPJ, o INSS e o COFINS. Sem contar as contribuições em relação ao PIS/Pasep.

O vale-pedágio também não integra o cálculo do ICMS, já que o valor é antecipado pelo contratante.

Diferentes opções e planos de pagamento

Outro lado prático é a oferta de planos para realizar os pagamentos do vale-pedágio. Eles podem ser pré-pagos ou pós-pagos, de acordo com a preferência da empresa.

Uma das formas de pagamento é por meio do cartão eletrônico. O caminhoneiro recebe esse cartão, que deve ser recarregado pelo contratante no valor total de pedágio da viagem.

Há também a possibilidade da transportadora receber um cupom da contratante, usado para fazer o pagamento nas cabines de pedágio.

E, por fim, existe o pagamento automático de pedágio. Para isso, o contratante deve se cadastrar em alguma das empresas habilitadas pela ANTT para pagar o valor total do pedágio da viagem.

Em todos os casos acima, o comprovante de pagamento do vale-pedágio deve ser impresso e seguir junto aos documentos oficiais para transporte de carga.

Conformidade com a Lei 10.209

Por ser um benefício obrigatório, a ANTT é responsável por fiscalizar empresas e contratantes.

Se uma transportadora ou motorista acionar a ANTT e for comprovado que o vale-pedágio não foi cumprido, há uma multa de R$550,00 por veículo para cada viagem em que o benefício foi violado.

A mesma multa é aplicada, por dia, para rodovias sob pedágio que se recusam a aceitar o uso do benefício.

Para denunciar empresas ou operadoras que estejam infringindo a lei, você pode entrar em contato com a Ouvidoria da ANTT pelo número 166 ou enviar um e-mail para ouvidoria@antt.gov.br.

Esperamos ter resolvido todas as suas dúvidas sobre como calcular o pedágio. Conseguimos perceber que a adoção de uma solução automatizada pode ser a ideal para a frota da sua empresa. Dessa maneira, os controles e processos são melhor monitorados e todos saem ganhando: o motorista e os donos das empresas.

Gostou das nossas dicas de como calcular o pedágio? Para saber mais desse assunto, confira nosso post sobre como o pedágio automático traz mais agilidade ao trabalho do motorista!

Você também pode gostar

Deixe um comentário