Aprenda como calcular IPVA da frota de veículos seguindo 5 passos

7 minutos para ler

Você sabe como calcular IPVA corretamente para prever os gastos que terá com a frota? O Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) é obrigatório e serve para custear itens importantes, como segurança pública, saúde, educação e transporte. Antever esse gasto é fundamental para uma boa gestão, afinal, é possível se programar e ter menos despesas no mesmo período.

Para que você consiga se preparar para esse tributo, preparamos 5 dicas de como calculá-lo. Continue com a gente!

Como calcular o IPVA da frota de veículos?

Antes de explicarmos como fazer o cálculo na prática, é interessante que você entenda algumas informações para facilitar o seu trabalho: quantidade de veículos da frota, ano de cada um e tabela FIPE, além disso anote os estados que cada veículo está registrado, pois isso interfere no valor do imposto.

Com todas essas informações em mãos você já pode seguir para fazer o cálculo do IPVA. Dividimos o processo em dicas práticas para facilitar. Vamos lá?

1. Identifique a base de cálculo, seja para veículo usado, seja novo

O primeiro passo é identificar a base de cálculo, isto é, o custo do veículo, seja novo, seja usado. Boa parte dos estados — inclusive São Paulo — utiliza a tabela FIPE como referência. Vamos tomar como exemplo um dos caminhões mais vendidos do Brasil, o Mercedes-Benz Sprinter 415.

A versão 2019 Luxo T.A 2.2 Diesel consta com valor base de R$185.400. É sobre esse número que é feito o cálculo do IPVA. Uma vez que você já tenha encontrado o valor dos veículos da frota na tabela FIPE, é hora de ver qual será o custo do imposto baseado na taxa e tipo de automóvel.

como calcular IPVA

2. Considere a taxa aplicada sobre a base, de 1% a 4%

O valor que você tem de desembolsar para pagar o IPVA é uma porcentagem do preço do veículo que consta na tabela FIPE. Ele varia entre 1% e 4%, dependendo do tipo de automóvel e do estado — em alguns a variação pode ser entre 1% e 6%. Para carros Flex, em São Paulo, a taxa é de 4%, enquanto nos modelos a gás, eletricidade ou etanol, ela é de 3%.

Caminhonetes com cabine simples, ônibus e motocicletas pagam 2%. No caso dos caminhões — como o Mercedes-Benz Sprinter 415 —, paga-se 1,5% sobre o valor do veículo, ou seja, aproximadamente R$2.700. Parece caro, não? Mas dá para conseguir um desconto.

3. Consiga até 50% de desconto junto à Secretaria da Fazenda

Cada governo estipula um desconto caso o pagamento seja feito em parcela única dentro de um prazo específico — vamos falar disso daqui a pouco. Em São Paulo, por exemplo, você economiza 3% por veículo, ou seja, R$81,00 no caso do Sprinter 415. Pode parecer pouco, mas, em uma frota, qualquer valor ajuda.

O que muitos não sabem é que alguns estados disponibilizam até 50% de desconto para frotistas. Para conseguir isso, é preciso procurar a Secretaria da Fazenda e fazer a requisição de uma guia e um cadastro. Existe certa burocracia, mas vale a pena, dado o tamanho do abatimento.

Com a pandemia os prazos de pagamento e concessões de desconto foram facilitados ou adiados em alguns locais, confira a lista dos estados e suas respectivas datas e especificações.

4. Informe-se sobre o prazo de pagamento de acordo com a região

Para saber como calcular IPVA, também é importante prestar atenção aos prazos para pagamento, uma vez que eles determinam se haverá ou não desconto, como esse custo será desembolsado e as possíveis multas caso o veículo trafegue com o imposto em atraso.

Boa parte dos veículos tem de ter o imposto recolhido entre janeiro e março, com o vencimento mudando de acordo com o final da placa e o estado de emplacamento. No caso dos caminhões, o prazo é entre março e setembro. Os governos costumam fornecer uma tabela com as datas.

5. Atente-se à data e forma de pagamento

Se você quiser o desconto no IPVA que mencionamos, precisa fazer o pagamento em uma única parcela seguindo a data limite especificada por estado. Também, dá para parcelar em até três vezes, o que pode ajudar no gerenciamento de custos da frota. Fique atento aos prazos e evite multas.

O não pagamento do imposto além de gerar multa pode incluir o CNPJ da frota em órgãos de proteção ao crédito como SPC, Serasa e SCPC e impedir a emissão de licenciamento do caminhão. Sem este documento (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo — CRLV) o motorista não está autorizado a circular com o caminhão que poderá ser apreendido além de gerar sete pontos na carteira e multa.

Por que o IPVA é um imposto importante para frota?

O valor pago nesse imposto é repartido entre o estado e município em que o veículo está registrado, sendo 50% para cada um. Esta verba é usada de forma diferente e quem determina o seu uso são as Secretarias da Fazenda de cada esfera.

É comum acreditarmos que o IPVA é destinado para conservação de estradas. Entretanto, esse equívoco vem da época em que ainda existia a TRU (Taxa Rodoviária Única), extinta em 1986, que tinha sua arrecadação destinada exclusivamente para conservação das estradas. Atualmente este papel cabe às concessionárias que mantém a qualidade das vias com a cobrança de pedágios.

Mas então, para onde vai o IPVA? Geralmente governadores e prefeitos usam a arrecadação de forma diferente, destinando parte para manutenção de ruas, parte em educação, saúde e segurança.

Apesar de o imposto não ser o responsável pelas condições das rodovias, ele é importante por dar suporte para que os centros urbanos tenham mais condições físicas e de segurança para receber caminhões de entregas que circulam cada vez mais pelas cidades.

Como gerenciar melhor o pagamento de impostos?

Negligenciar o pagamento de impostos pode trazer dores de cabeça no futuro, multas, apreensão de veículos e prejuízos com entregas perdidas ou paradas. Por isso, crie um cronograma de todos os impostos que devem ser pagos. Você pode fazer isso em uma planilha ou buscar um aplicativo de finanças.

Anote a periodicidade de cada um, qual a forma de pagamento, a data limite e quem é o responsável pela emissão e pagamento daquele imposto. É importante que esta organização seja centralizada para que todos vejam o mesmo documento e não percam a data de pagamento, por exemplo.

Aproveite a tecnologia para facilitar o fluxo desses pagamentos, agendando lembretes que chegarão por e-mail alguns dias antes do vencimento. Se você for uma pessoa que prefere auxílio visual, crie um painel na sala do departamento de finanças em que todos podem visualizar as datas e valores a serem pagos.

Viu como não é difícil calcular o IPVA e ainda conseguir um desconto? Esse é um dos custos operacionais na gestão de frota e não dá para fugir dele. Porém, programando-se, é possível economizar e, principalmente, impedir dores de cabeça com veículos parados por problema na documentação.

Que tal aprender a fazer uma checklist com tudo o que é preciso para manter a eficiência e ter mais tranquilidade na gestão da frota? Acesse o conteúdo no link e boa leitura!

Posts relacionados

Deixe um comentário