Manutenção corretiva: entenda quando ela é necessária

3 minutos para ler

A manutenção corretiva é uma das categorias mais conhecidas e, embora não seja recomendada para todas as situações, ela ainda é bastante usada. Mas, afinal, como ela funciona e por que nem sempre esse método é o mais eficiente para manter a frota rodando sem problemas?

Ao longo deste texto, vamos tirar essas dúvidas e ainda mostrar como evitar que a manutenção corretiva afete o desempenho da empresa!

O que é a manutenção corretiva e como ela funciona?

Antes de mais nada, precisamos entender esse conceito. Sabe aquela frase que diz “em time que está ganhando não se mexe”? A manutenção corretiva segue a mesma linha de raciocínio, ou seja, espere algo quebrar para somente então fazer o conserto. Em alguns casos, isso pode funcionar e até mesmo ser mais vantajoso.

Esse conceito era bastante utilizado no passado e até trazia bons resultados. No entanto, os tempos mudaram e o dinamismo do setor de transportes faz com que esse tipo de manutenção seja cada vez menos usado. Atualmente, a corretiva é recomendada apenas para equipamentos não essenciais, ou seja, que não vão afetar o desempenho da empresa.

Agora, vamos refletir um pouco sobre o assunto. Será que os veículos de uma frota podem ser considerados itens não essenciais? Sabemos que não! Esse é exatamente um dos pontos negativos em relação à corretiva e um dos motivos de ela não ser a melhor alternativa atualmente, principalmente para o setor de transportes.

Powered by Rock Convert

Por que ela não é a melhor alternativa?

Com o passar do tempo, percebeu-se que antecipar problemas — principalmente em itens essenciais como os veículos de uma frota — era mais eficiente que deixar algo quebrar para depois fazer o conserto. Você, mais que ninguém, sabe o prejuízo que um carro ou caminhão parado podem trazer, não é mesmo?

Além disso, acreditava-se que, esperando algo quebrar, os custos eram menores. Hoje, sabemos que isso pode aumentar as despesas, uma vez que um pequeno problema pode crescer bastante. Por esses motivos, tanto na manutenção veicular quanto na de caminhões esse conceito vem caindo por terra.

Como evitar a manutenção corretiva?

Graças aos anos de aprendizado, surgiu o conceito de manutenção preventiva, que prega justamente o contrário da corretiva. Para evitar que algo quebre e fique parado gerando prejuízos, o ideal é fazer algumas inspeções periódicas e procurar por problemas ainda em estágio inicial.

No final das contas, esse conceito acabou se mostrando mais eficiente, gerando menos custos com manutenção e evitando surpresas e prejuízos com veículos parados. Por isso, essa é uma das melhores de maneiras de evitar a corretiva e todos os problemas que ela pode trazer.

O conceito de manutenção corretiva não é algo errado. Porém, como você viu, nem sempre essa é a melhor opção, principalmente quando o assunto é manter a frota rodando com eficiência. Como dissemos, o ideal é fazer uma avaliação e utilizar essa prática apenas em itens não essenciais ao funcionamento da empresa.

Quer conhecer outro conceito que tem ganhado bastante força? Então, leia o nosso post sobre a manutenção preditiva e fique pode dentro desse assunto tão importante!

Posts relacionados

Deixe um comentário